Pazienti affetti da HIV non sono spesso sottoposti a test per HCV

Immagine predefinita
In evidenza

Michael Carter

Le persone con HIV non sono spesso testate per l'infezione da virus dell'epatite C (HCV), secondo l'americano Clinical Infectious Diseases. O estudo retrospectivo examinou práticas de triagem em sete locais primários de atendimento entre 2000 e 2011. A freqüência de testes aumentou, mas a prática varia consideravelmente entre os sites, e em alguns casos indivíduos com comportamento de alto risco não eram frequentemente testados para o HCV.

“A testagem para incidência de HCV é variável entre os sites e a melhora na freqüência da triagem é também variável, ressaltando a necessidade de diretrizes baseadas nos EUA para informar práticas de HIV”, escrevem os autores.

Um editorial na mesma edição do jornal reforça a importância de pronto diagnóstico de HCV em pessoas portadoras de HIV.

Muitas pessoas portadoras de HIV têm um alto risco de infecção pelo vírus da hepatite C. O uso de drogas injetáveis é um reconhecido fator de risco para se adquirir o HCV e há também uma epidemia de HCV sexualmente transmissível entre homens gays portadores de HCV em algumas cidades da Europa e EUA.

Diretrizes americanas recomendam que pessoas portadoras do HIV com alto risco de HCV deveriam ser consideradas para triagens anuais de anticorpos contra o HCV. Entretanto, a definição de alto risco não está clara e as práticas de testes atuais são desconhecidas. Devido a esta incerteza, um grupo de investigadores desenvolveu um estudo retrospectivo envolvendo 70.000 pessoas portadoras de HIV que receberam os primeiros cuidados em sete sites nos EUA entre 2000 e 2011. Eles mediram índices de HCV triados usando anticorpos ou testes de RNA como requisitos para cuidados, e para as pessoas que não tinham HCV como padrão, níveis de testes subseqüentes. Os fatores associados com os testes também foram analisados, e os investigadores também examinaram se elevações nos níveis de enzimas do fígado (ALTs) – uma possível indicação de recente infecção por HCV – provocaram testes de diagnóstico adicionais.

Os índices de triagem em pessoas recentemente inscritas para cuidados foram bons, com 85% submetendo-se a testes com anticorpos HCV ou testes de RNA dentro de três meses após estabelecer conexão com um portador. Mas analises das 9000 pessoas que não tiveram HCV e que permaneceram sob cuidados por pelo menos um ano mostraram que somente 56% receberam qualquer triagem adicional de HCV durante o acompanhamento.

Os índices de testes de acompanhamento variaram entre os sites desde uma baixa de 35% até uma alta de 79%.

Un certo numero di fattori di rischio e caratteristiche cliniche sono stati associati al test per l'HCV durante il follow-up. Tra di loro includere le relazioni di rapporto anale senza protezione (OR = 1.31, 95% CI, 1.08-1.59); uso di anfetamine (OR = 1.86; 95% CI, 1.42-2.44); avere diagnosi di AIDS (OR = 1.16; 95% CI, 1.04-1.31); e la storia di malattia epatica non correlata a HCV (OR = 3.41; 95% CI, 2.51-4.63). Le persone che hanno segnalato l'iniezione di droghe avevano più probabilità di essere sottoposte a screening rispetto agli omosessuali o ai gruppi a rischio eterosessuale.

Fiscalização nas triagens aumentou com o tempo e entre 2008 e 2011 o índice de triagem variou entre 0.24 e 0.63 triagens por pessoas ano. O número médio de triagens por pessoa também aumentou na maioria dos sites, assim como a proporção de pessoas que se submeteram a testes de HCV em períodos fixos.

“Fiscalização nas triagens por ocorrência de infecção de HCV varia substancialmente entre sites clínicos – mesmo entre aqueles que relatam características de alto risco tais como uso atual de anfetaminas e sexo anal com uso variável de camisinha”, notam os autores.

Test per HCV in persone con ALTs elevati sono stati poco frequenti: solo 27% degli individui con livelli superiori 100 UI / l ed un quinto di quelli con misure di cui sopra 400 IU / mL test HCV RNA o anticorpi Subì entro un periodo di dodici mesi. I tassi di screening erano simili quando le analisi erano limitate ai gay o ad altri uomini che avevano fatto sesso con uomini.

“Parece que provedores nos EUA não rotineiramente usam ALT como um teste de triagem para ocorrência de HCV,” comentam os investigadores. Eles concluem que são necessárias diretrizes para triagem de HCV em âmbito nacional para pessoas portadoras de HIV, “informando quem deve participar desta triagem, com que freqüência e quais testes de triagem devem ser utilizados.”

Riferimento

Freiman JM et al. Current practices of screening for incident hepatitis C virus infection among HIV-infected, HCV-uninfected individuals in primary care. Clin Infect Dis, edição online, 2014.

Reiberger T Acute hepatitis C virus infection in HIV+ MSM: should we change our screening practice? Clin Infect Dis, edição online, 2014.

Fonte AIDSMAP.com

Tradução SAMIRA J. Z.

Originale in inglese: AIDSMAP Translation SAMIRA JZ

Copyscape non ha rilevato alcun corrispondenze per il posto di corrente. (Parole 818 controllato)

Digiprove certificate id: P552030 - La prova di questo testo e contenuti HTML è stato creato.

Penso che le persone debbano essere sottoposte a test per l'HCV ogni volta che si scoprono che sono HIV-positivi, in quanto sono già stati testati per la tubercolosi in casi simili


Se puoi, supporto








Abbiamo molti progetti da fare, ma non abbiamo le risorse.

D'altra parte, abbiamo i nostri costi operativi, che non sono pochi.

Se ti piace questo lavoro, puoi aiutarlo e lo vuoi, fallo da Pay Pal

Se vuoi saperne di più su di noi e su chi e cosa stai aiutando, questo link mostra qualcosa di tutto e si apre in un'altra scheda!

O un deposito in questo account:

[Bws_popular_posts]

In nessun'altra intervista sono stato trattato così bene e non sono mai stato in un'intervista in cui non si sono verificati problemi, ad eccezione di Astrid e Erotika di MTV

Puoi cercare alcune ONG che conosco a San Paolo

Annunci

Related posts

Come si trasmette l'HIV? Sto con infezione da HIV? Come dire?

Cláudio Souza 1 / 4 del secolo Vivere con l'HIV

Misteri della sessualità. Che cosa è normale?

Cláudio Souza 1 / 4 del secolo Vivere con l'HIV

1 - Infezioni opportunistiche Infezioni batteriche - diarrea batterica

Cláudio Souza 1 / 4 del secolo Vivere con l'HIV

L'Assemblea Mondiale della Sanità adotta strategie per affrontare le epidemie di AIDS, epatite virale e infezioni sessualmente trasmissibili

Cláudio Souza 1 / 4 del secolo Vivere con l'HIV

Nuovi farmaci antiretrovirali, nuove formulazioni e nuove strategie per curare l'HIV

Cláudio Souza 1 / 4 del secolo Vivere con l'HIV

gestione malattie non trasmissibili tra le persone che vivono con l'HIV

Cláudio Souza 1 / 4 del secolo Vivere con l'HIV

Lascia un tuo commento

Questo sito utilizza Akismet per ridurre lo spam. Scopri come vengono elaborati i tuoi dati di feedback.

Questo sito utilizza i cookie e si può rifiutare questo uso. Ma potresti ben sapere cosa viene registrato in consonanza con il nostro politica sulla privacy

%d Bloggers come questo: